Pesquisar este Blog

Postagens mais lidas

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Diferentes sonetos, de Camões e Drummond

Diferentes sonetos, de Camões e Drummond

Drummond  parte de um verso do soneto Erros meus, má fortuna, amor ardente, de Camões, para escrever seu poema, A grande dor das cousas que passaram.

Erros meus, má fortuna, amor ardente
(Luís Vaz de Camões)
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Em minha perdição se conjuraram;
Os erros e a fortuna sobejaram,
Que para mim bastava amor somente.

Tudo passei; mas tenho tão presente
A grande dor das cousas que passaram,
Que as magoadas iras me ensinaram
A não querer já nunca ser contente.

Errei todo o discurso dos meus anos;
Dei causa a que a fortuna castigasse
As minhas mais fundadas esperanças.

De amor não vi senão breves enganos.
Oh! Quem tanto pudesse, que fartasse
Este meu duro Gênio de vinganças!


A grande dor das cousas que passaram
(Carlos Drummond de Andrade, do livro Farewell, Editora Record)
A grande dor das cousas que passaram
transmutou-se em finíssimo prazer
quando, entre fotos mil que se esgarçavam,
tive a fortuna e graça de te ver.

Os beijos e amavios que se amavam,
descuidados de teu e meu querer,
outra vez reflorindo, esvoaçaram
em orvalhada luz de amanhecer.

Ó bendito passado que era atroz,
e gozoso hoje terno se apresenta
e faz vibrar de novo minha voz

para exaltar o redivivo amor
que de memória-imagem se alimenta
e em doçura converte o próprio horror!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget